Mês do Orgulho LGBTQIAP: personagens de games com representatividade

Mês do Orgulho LGBTQIAP: personagens de games com representatividade

O mês de junho é o mês da representatividade LGBTQIAP+ e nós do Pixel Nerd resolvemos listas alguns personagens com representatividade no universo gamer.

Mesmo em meio a tanta repressão e falta de visibilidade no mundo da mídia, cada um deles representa uma parcela diversa da comunidade. Vem conferir:

Por que junho é o mês do orgulho LGBTQIAP?

Para começo de conversa, a escolha do mês é um marco para a representatividade devido aos acontecimentos de Stonewall em junho de 1969, quando policiais de Nova York atacaram de maneira violenta os ombros LGBT da comunidade que estava presente no bar.

A partir desse dia, duas pessoas importantes na luta contra os atos de discriminação, Marsha P. Johnson e Sylvia Rivera, duas mulheres trans que são lembradas até hoje pelo seu ato de ativisimo.

Sem elas, hoje não haveria sequer representatividade em qualquer área midiática, inclusive no mundo dos games – tanto como em seus personagens quanto na representação em si.

Jimmy Hopkins – Bully

(Imagem/Reprodução: Internet)

Provando que a letra “G” da sigla não é a única existente, o Jimmy Hopkins do polêmico Bully é provado como bissexual, já que possuia tanto a opção de dar amassos em alunas e em alunos também.

Mesmo apesar da Rockstar Games ter afirmado com todas as letras que foi apenas um bug “mal resolvido” do jogo e que estavam com pressa, alguns jogadores já descobriram que existia uma espécie de sistema entre as gangues do internato para conseguir realizar tal feito.

Ellie – The Last Of Us

(Reprodução: Internet)

The Last of Us é com certeza um dos jogos que revolucionou o gênero zumbi nos últimos anos. O jogo da Naughty Dog, especialmente a segunda parte dele (The Last Of Us 2) foi o pontapé da representatividade no universo do game ao apresentar Ellie, uma das personagens principais como lésbica.

No segundo game, ela e Dina tem um relacionamento amoroso além de ótimas narrativas na história que não poupa a violência. Além disso, o jogo também quebra esteriótipos apresentar Abby, uma garota forte e musculosa, porém hétera, e apresenta o personagem trans, Lev.

Birdo – Super Mario Bros

(Reprodução: Imagem)

Da famosa série de videogames Super Mario Bros, temos Birdo, uma dinossaura representando a letra “T” da sigla. Ela é descrita pelo jogo como alguém que “pena que é ela e gosta de atirar ovos pela oca”.

Apesar do silêncio e não-definição por parte da Nintendo, Birdo entrou para a história como a primeira personagem transexual a aparecer em um jogo eletrônico que estreou em 1988 em Super Mario Bros. 2.

Soldado 76 – Overwatch

(Imagem/Reprodução: Internet)

O personagem Jack Morrison, também conhecido como Soldado 76 de Overwatch, foi revelado como gay através de um conto lançado pela Blizzard como parte da história do game.

Em um reencontro com sua antiga colega Ana, a personagem o relembra de Vicente, um homem com quem estasva relacionado no passado. 76 afirma então que Vicente está casado e que está feliz por ele. Você pode conferir a história em inglês clicando aqui.

Soldado 76 é oficialmente o segundo personagem com representatividade uma vez que a desenvolvedora já havia anunciado que Tracer tem uma namorada chamada Emily.

Gibraltar – Apex Legends

(Reprodução: IGN)

Makoa Gibraltar é um personagem do shooter Apex Legends. Em seu lore, é apresentado que Gibraltar dedica sua vida a salvar pessoas desde que seus pais salvaram ele e o namorado após um acidente envolvendo uma motocicleta.

Além do personagem, a “Rastreadora Tecnológica” Bloodhund, que possui dados como nome, idade e terra natal desconhecida foi descrita como “não-binária” ou ao menos não especificada em termos de gênero nas palavras de Jay Frechette, gerente da comunidade da Respawn Entertainment.

Chloe Price

(Reprodução: Internet)

Do emocionante Life is Strange temos Chloe Price, a segunda protagonista do jogo de drama que ganhou uma legião de fãs. No título da Square Enix, Chloe é uma adolescente lésbica bastante carismática, mas que sofreu preconceito, o que mais tarde acalenta para os seus problemas de depressão e insegurança.

Kung Jin – Mortal Kombat X

Outro personagem LGBTQIAP de uma série de videgoames é Kung Jin de Mortal Kombat X. No décimo jogo da saga, Kung Jin é apresentado como um primo de Kung Lao que utiliza arco e flecha em seus combates e é descrito como “auto depreciativo” em uma conversa com Raiden.

De maneira sutil, Raiden pede que Kung Jin se aceite para que se junte aos outros. Apesar da mera suspeita dos fãs, o diretor de sequências da Netherrealm, Dominic Ciancialo, veio a público confirmar a informação “É bom ter fãs observadores”, diz Dominic.

Krem Aclassi – Dragon Age

(Reprodução: Internet)

Cremisius “Krem” Aclassi é um personagem de Dragon Age, série de games da BioWare. Krem, como também é conhecido como um ex-soldado das forças militares do Tevinter Imperiu e atualmente luta ao lado da Bull’s Chargers. Krem é um homem transexual.

Mass Effect

(Reprodução/Imagem: Internet)

Em 2017, a BioWare deu um passo grande em luta pela diversidade ao adicionar no sistema a opção de romance gay para protagonistas masculinos. Desde a mudança, o protagonista de Mass Effect, Scott Ryder pode se relacionar com até três pessoas do mesmo sexo durante o gameplay.

O jogo avançou nessa melhoria também permitindo a personagens de outros gêneros se relacionarem como preferirem, e um guia desses romances e finais alternativos podem ser conseguidos neste link.

Matheus Martins

Escritor, 25 anos, apaixonado por literatura e Stephen King. Teve um exemplar jogado na própria cabeça como incentivo e hoje afunda a cabeça em cubículos do Call Center. À noite, as máquinas ligam e ele dá vida às palavras e histórias que alugam um triplex na sua cabeça.