7 remakes incríveis feitos por fãs em Unreal Engine

7 remakes incríveis feitos por fãs em Unreal Engine

Para muitos gamers, a sensação de poder acessar seus velhos jogos novamente é muito boa. E quando esses mesmos jogos são aprimorados graficamente o resultado pode ser surpreendente.

É o caso dos remakes incríveis feitos em Unreal Engine. A tecnologia da Epic Games tem sido aproveitada por fãs e programadores do nicho que resgatam títulos clássicos e os transformam em verdadeiras obras de arte que podem ser revisitadas com maior qualidade visual e sonora.

Hoje o Pixel Nerd irá apresentar alguns desses títulos.

1. Zelda: Ocarina of Time

Originalmente lançado em 1998, Zelda: Ocarina of Time foi um marco para muitos fãs lançado pela Nintendo e alvo de uma das melhores críticas de jogos no Metacritic. O game acompanhava o protagonista Link por terras de alta fantasia em uma aventura cheia de inimigos, quebra-cabeças e trilha sonora fantástica.

Agora, nesse fan-made Zelda está sendo recriado de uma forma para reimaginar como seria a qualidade do jogo usando as tecnologias de ponta dessa era. O objetivo, conforme apresentado pelo youtuber que está renderizando o título, RwanLink, não é exatamente para fazer um jogo completo, mas poder se ter uma ideia de como os diferentes cenários e detalhes do jogo ficam dentro de um gráfico realmente realista e cinematográfico e o resultado não poderia ser mais satisfatório.

Usando da Unreal Engine 5, “RwanLink” desenvolveu uma imagem 4K com iluminação poderosa que compõe os detalhes do jogo de mundo aberto tornando ambientes como montanhas e gramas tão reais que podem facilmente serem comparados com os elementos do mundo real.

Além disso, a produção foi fiel a essência do game ao criar uma trilha sonora própria conforme demonstrado em seus mais recente vídeo intitulado “Lake Hylia – Breakdown”. A música foi feita especialmente para o Lago Hylia pelo motivo do local não ter sido aproveitado com música nenhuma, diferente das outras áreas do game. Para o feito, RwanLink chamou a artista francesa Marie-France Gilbert, também conhecida como Mosik no país.

Até o presente momento, o projeto recebeu zero represálias do estúdio original e está sendo divulgado por capítulos.

2. Tomb Raider: The Dagger of Xian

Em um remake parcial, Tomb Raider 2 encontra sua nova e mais atualizada forma em uma recriação feita por um fã. O game, chamado de Tomb Raider: The Dagger of Xian, foi feito por Nicobass e apresenta novos estilos visuais e de jogabilidade.

Para começar, o título fã-made dá ao player controle sobre mecanismos de configuração jamais aproveitados pelo player antes, desde a configuração de luz ao controle de som da água, por exemplo, que podem ser desligados e alternados da maneira que o jogador preferir. Todo trabalhado com a tecnologia UE4, Dagger of Xian dá uma verdadeira aula de aprimoramento revelando uma jogabilidade fluída e gráficos plenamente satisfatórios desde a densidade das rochas que Lara Croft tem que escalar e as feições em seu rosto que estão bem mais realistas, resultando em uma imersão quase completa do universo.

Além disso o desenvolvedor independente trabalhou realmente nos detalhes do game que deixa o clássico Tomb Raider 2 no chinelo, investindo em um controle de mods astutos que controlam roupas e acesso a menus de recompensas, modos de fotos, novos tipos de cadáveres, alteração visual no modo como Lara se movimenta quando para de correr e na manipulação de NPCs dentro do jogo como um tigre que se movimenta para trás quando Lara está encurralada e a reação de criaturas marinhas (peixes) quando a mesma se aproxima deles dentro da água.

Com tantas questões em volta da nova animação feita para se adaptar a essa era, fica quase impossível não pensar no jogo como uma irmã no quesito qualidade com o Uncharted de Nate Drake que também possui no seu background uma aventura arqueológica. A recriação está disponível nesse link e tem como requisitos mínimos Windows 7 ou sistemas acima dele; placa gráfica com 2 GB de memória de vídeo (VRAM) inclusa e compatível com a biblioteca de drivers DirectX11; 4 GB de memória ram (embora recomende 8GB) e 5, 7 GB de espaço livre no disco.

3. Sonic – Utopia

Com um desenvolvimento desde 2012, o remake de Sonic nas mãos da UE4 não poderia ser mais perfeito. Além de ser completamente fiel aos detalhes do jogo original, Sonic – Utopia segue um estilo e essência Sonic, com as mesmas cores laranja e verde fortes que transmitem o ambiente ensolarado e a rapidez e capacidade dar loopings que tanto fazem o ouriço azul ser quem ele é.

Na questão gráfica, o título vem com uma inovação pegando a tela de estilo 2D e a transformando em três camadas de dimensão, sendo pioneiro em uma característica que carece bastante na franquia original. Utopia também ganha destaque por explorar o mundo aberto em Sonic, um conceito até então novo, permitindo que Sonic encontre novos inimigos de uma maneira não-linear. Porém alguns criticos acham essa característica ruim uma vez que sem um objetivo definido, o jogo perca o sentido e assim comumente a essência que tanto tenta reproduzir.

Na questão da jogabilidade, o remake faz um acerto ao manter os controles simples de movimento de fácil entendimento que podem ser compreendidos por qualquer um o que torna tudo ainda mais proveitoso. Mas mesmo com essa qualidade, o game exige um pouco de estratégia na derrota de cada inimigos fazendo com que o player se desdobre para derrotar os chefões ao melhor estilo souls like.

4. Super Mario 64 Remake

Em alguns casos, nem toda produtora assistirá parada enquanto um fã recria um jogo importante para uma geração. Isso aconteceu com o remake de Super Mario 64 que ficou impossibilitado de se tornar disponível gratuitamente para o público pela Nintendo que possui os direitos autorais do game.

Feito pelo desenvolvedor NimSONY o game trazia a atmosfera animada de cartoons de uma maneira um pouco mais realista, com grande destaque para o castelo da Princesa Peach com um gráfico pra lá de repaginado.

Embora adentrar o castelo em si seja uma funcionalidade que não deu certo, os players poderiam pular e saltar pelas redondezas, caminhar pela propriedade e até nadar nas águas cristalinas do nível. É uma pena que a Nintendo tenha barrado o conteúdo porque o universo Mario é tão rico e vasto em questão de personagens e lugares, então tirar essa possibilidade realmente nos faz questionar como seria uma versão do Yoshi mais vivida ou até um Luigi feito em U4.

O jogo recebeu mais de um remake pelas mãos do desenvolvedor CryZENx e até o presente momento não possui nenhuma atualização há mais de 3 anos sobre o projeto no seu canal do youtube.

5. Black Mesa (Half Life Remake)

Sentando no lugar de melhor remake dessa lista, Black Mesa é o remake da franquia Half Life distribuído pela Valve Corporation que traz inovação ao título de shooter em primeira pessoa e ação. O game, diferente dos outros itens citados na lista, está realmente disponível na Steam desde 2020 e não poupa elementos ao trabalhar com Unreal Engine 4.

No game os jogadores entram na pele de Gordon Freeman, um físico teórico dentro da área Black Magi, tal como mencionado no título do jogo. Quando um experimento de rotina dá super errado, Gordon precisa lutar para sobreviver a uma invasão alienígena e a uma queima de arquivo proporcionada pelo exército que visa aniquilar os cientistas.

Black Mesa conseguiu tanta notoriedade que é definido por alguns como “mais do que um remake” e não é para pouco — o jogo usa da Inteligência Artificial no recurso de fala para os NPCs que, unida a atuação de voz, cria uma experiência imersiva nunca vista antes se afastando de uma tentativa vaga de recriação e reinventando o próprio nicho.

Menções Honrosas 🏆

Mas é claro que não podíamos deixar de listar apenas cinco sem listar pelo menos dois jogos de uma das maiores franquias do universo gamer. Reisdent Evil tem uma quantidade considerável de remakes satisfatório, então nada mais justo que dar a eles um holofote especial no pódio!

🏆 #6 – Resident Evil 2 (Remake): O remake do segundo jogo de RE é um dos jogos da franquia com maiores pontuações no Metacritic (91). Lançado em 2019, o game se destacou mesmo sob rechação da crítica que ficou de olho no diálogo nonsense que o acompanha. Com uma jogabilidade elevada ao máximo, o título conta com câmeras não fixadas em apenas um ponto específico (característica irritante do jogo original), campanhas distintas para cada personagem e uma atuação de voz agradável.

🏆 #7 – Resident Evil Code: Veronica (Remake) – Previsto para esse ano, o remake de Resident Evil Code: Veronica pode não ter sido oficialmente lançado, mas já apresenta uma demo promissora que promete melhorias. O projeto fã made traz o jogo de volta com elementos nostálgicos de títulos anteriores como o movimento esquiva da personagem Jill e a perspectiva em shooter de terceira pessoa sob o ombro já usada no RE 2 Remake. É cruzar os dedos para a Capcom não cancelar a estreia!

Matheus Martins

Escritor, 25 anos, apaixonado por literatura e Stephen King. Teve um exemplar jogado na própria cabeça como incentivo e hoje afunda a cabeça em cubículos do Call Center. À noite, as máquinas ligam e ele dá vida às palavras e histórias que alugam um triplex na sua cabeça.