8 Filmes de terror para se borrar de medo

8 Filmes de terror para se borrar de medo

Se tem um gênero de filmes capaz de prender a nossa atenção todo o tempo na tela são aqueles que carregam uma atmosfera alta de expectativa antes mesmo de subirem os créditos.

E é de conhecimento público que o gênero terror possui esse poder, mas quando falamos de obras que vão além do “jump-scare” apenas alguns títulos se destacam na hora de ficarem gravados em nossa memória.

De produções recentes a bem avaliados pela crítica em geral, nós vamos apresentar os 8 filmes de terror mais recomendados para de borrar de medo enquanto assiste!

1. A Entidade

Com Ethan Hawke no papel principal de um escritor procurando seu próximo caso de assassinato para escrever um best-seller, esse longa lançado em 2012 ainda ressoa suas imagens perturbadoras nas mentes dos fãs.

Apesar de mal avaliado pela crítica como “uma mala de tudo que devíamos não gostar no horror moderno” até mesmo os figurões da jornalística tiveram que admitir que a abordagem de Scott Derrickson estava à frente do seu tempo uma vez que o escritor conseguiu entregar a trama de uma maneira bem aprofundada.

 O filme funciona. Com seus vídeos de estilo caseiro fazendo o telespectador experimentar a “realidade” dos assassinatos e intercalando pela lenta queda da família do escritor nas garras de uma entidade demoníaca nós percebemos que o storytelling do filme não está ali apenas para nos deixar com medo (o que posteriormente acontece com o andar da carruagem), mas também que consigamos sentir o horror atravessar a tela até o nosso plano.

Para quem já assistiu, é impossível não associar A Entidade a figura de Bagul (ou Bicho-Papão), um homem mascarado de cabelo preto escorrido que rouba criancinhas de suas famílias logo depois de manipula-las para que matem seus entes queridos.

2. A Bruxa

Esse filme ataca principalmente a ideia de segurança vendida em outros filmes do gênero onde geralmente a família busca uma forma de derrotar as forças das trevas para que terminem bem.

Em A Bruxa não temos nada disso e esse fator é demonstrado logo no começo quando descobrimos que a família de aldeões foram expulsos de uma antiga plantação e agora vão morar nessa floresta abandonada no interior do país.

Envolvidos em uma missão espiritual de alcançar a salvação através da religião, o espectador observa as personagens mal tendo tempo de respirar quando os mais horríveis acontecimentos vão passando como provações infelizes na frente da tela.

As mãos demoníacas da entidade escondida por trás do filme agarram a humilde residência num piscar de olhos.

Do começo ao fim, as trevas vencem, tornando a história uma das mais assustadoras de todos os tempos.

3. Atividade Paranormal

Quando falamos de um terror com a capacidade de nos deixar assustados fora da tela, Atividade Paranormal já cumpre essa missão em sua premissa.

Lançado em 2007, o filme conta a história de um casal que, no intuito de entender os fenômenos paranormais recorrentes em seu lar, instalam diversas câmeras pelos cantos da casa para pegar as aparições no pulo.

O tiro sai pela culatra quando as aparições começam a ficar tão violentas a ponto de nem um padre ser capaz de resolver o assunto.

Enquanto os minutos e horas de diferentes noites gravadas pelas câmeras passam correndo na tela, a audiência acompanha pelo rabo de olho os cantos da própria casa com medo que o terror retratado esteja atrás deles mesmos.

4.  Hereditário

Hereditário é, sem sombra de dúvidas, um dos terrores mais adorados pelos cinéfilos.

Com uma mistura de simbologia, referências e a crítica social à irresponsabilidade de homens sendo venerada pela sociedade através da imagem do deus pagão Paimon, o longa despertou aquele lado da audiência que banca o detetive e tenta entender o significado de cada cena no filme.

Embora carregue em todos os seus minutos um suspense ininterrupto e a lamúria bem representada pela personagem de Toni Collete, quando chegamos às cenas finais com “pessoas” escalando paredes e cabeças rolando enquanto o ciclo se fecha, o longa com certeza ganhou seu próprio bicho de capacidade em nos fazer abandonar uma sala correndo de tanto medo.

5. O Exorcista (1973)

Se você perguntar a qualquer pessoa na rua qual o maior filme de terror que elas se lembrem bem, mesmo nos dias de hoje, O Exorcista com certeza vai ter aparecido na lista mental da sua cabeça.

O clássico dos anos 70 ecoa até nos dias de hoje seu efeito em outras produções de horror que tentam repetir a fórmula.

Mais do que um “jump-scare” original, o longa evoca todos os nossos medos diante da jovem Regan que tem sua aparência drasticamente transformada pela possessão.

Enquanto se assiste ao filme é impossível não ter medo do Diabo em todos os seus elementos naturais quando ele fala através da garota e lança uma cortina de fumaça – cena icônica na capa do filme que é uma verdadeira nostalgia para os fãs até hoje.

Diferente dos outros filmes já citados aqui, O Exorcista não deixou o seu legado assombroso apenas para a tevê. Além de ser baseado em fatos reais os bastidores é recheado dos casos mais estranhos de acidentes e mortes envolvendo o elenco e a equipe de produção.

É curioso e perturbador só de imaginar que um filme já tão assustador possa ser capaz de atingir tal feito, mas se existe um filme capaz disso esse é O Exorcista.

6. Invocação do Mal

As portas do horror moderno foram abertas em 2013 quando a história de Ed e Lorraine Warren e seus casos paranormais foram adaptados para o cinema.

Apesar de depois do segundo ou terceiro filme (ou de seus derivados como Annabelle e A Freira) acabarem no genérico causador de sustos, o primeiro filme de James Wan cumpriu seu papel em nos deixar perturbados o suficiente.

Quando eventos inexplicáveis começam a assustar um casal e suas filhas na fazenda onde vivem, a família recorre aos agentes espirituais para resolver o mistério e expulsar a entidade maligna do local.

Até lá, aparições, vultos e muita possessão vão preenchendo o longa tornando-o memorável demais para ser esquecido quando a tevê é desligada.

7. A Hora do Pesadelo

O Rei dos pesadelos é um mestre na arte de despertar os nossos instintos mais primitivos quando ficamos de frente para uma tela.

A habilidade de Freddy Krueger em invadir os sonhos das vítimas enquanto elas dormem se tornou uma fobia entre os telespectadores que não podem (ironicamente) nem sonhar com a imagem do vilão.

Em A Hora do Pesadelo vemos a jovem Nancy sofrer com pesadelos violentos envolvendo um homem de rosto queimado usando um par de luvas com garras. Ela descobre que a mesma figura está atrás dos seus amigos e de seu namorado Glenn e que não vai parar até conseguir concretizar a sua vingança.

8. O Farol

Mais um favorito recente dos fãs de “cult”, O Farol tem sido elogiado por ter uma Incrível direção de arte não vista há muito tempo pelos entusiastas do gênero.

Na história um homem responsável por um farol antigo no meio do nada recebe a visita de outro que irá futuramente substituí-lo no cargo.

Com essa premissa simples, o telespectador nem imagina que ao decorrer da obra, o isolamento entre Thomas (William Dafoe) e Ephraim (Robert Pattinson) começa a ficar grande demais para ser ignorado.

Logo, estranhos fenômenos começam a tomar conta do lugar também e da mente dos dois sujeitos até que ambos caíam numa espiral de loucura.

Aqui temos um exemplo de terror muito mais psicológico onde a audiência se vê jogada num mar de agonia e com a difícil tarefa de tentar entender o filme ao invés de simplesmente morrer de medo dele.

Redator Pixel

Escrito com carinho por um dos nossos melhores redatores :)