A Hat in Time, um jogo incrível ao estilo Spyro

A Hat in Time, um jogo incrível ao estilo Spyro

Post atualizado | A Hat in Time pode te surpreender, se você gosta do estilo dos jogos de Spyro, com certeza vai curtir este novo game.

Post original:

Desde o ano passado já existiam rumores de que Spyro voltaria ao mundo dos games com uma nova versão feita aos moldes de Crash N Sane Trology.

Para a alegria deste que vos escreve, as informações foram confirmadas e Spyro Reignited Trilogy realmente vai acontecer!

A Hat in Time e a trilogia de Spyro

A Activision anunciou que lançará uma coletânea com os três primeiros (e melhores) jogos do dragãozinho roxo para o PS4 e Xbox One (e possivelmente para outras plataformas no futuro).

A data de chegada, porém, ainda demora: o game só será lançado em 7 de setembro.

Enquanto Spyro não chega, temos bastante tempo para jogar outros video games, mas se você está tão inspirado com jogos de plataforma 3D quanto eu, trago uma dica para manter o fogo dessa paixão vivo até o fim do ano: o indie A Hat in Time.

O jogo já ganhou espaço aqui no Nacionais durante uma entrevista com Jenna Brown, a diretora de arte do estúdio Gears for Breakfast.

Ela falou sobre o desenvolvimento do game e os bastidores da produção. Agora, eu trago mais motivos para dar uma chance a um dos jogos mais fofos do ano passado.

O retorno dos jogos de plataforma 3D

O ano de 2017 teve grandes doses de nostalgia para quem cresceu jogando títulos de plataforma 3D e collectathons: o Switch trouxe todo o poder da Nintendo de volta ao mercado e grandes títulos como o premiado Super Mario Odyssey.

A Activision lançou Crash Bandicoot N. Sane Trilogy, fazendo o marsupial do PS1 retornar das cinzas para o PS4 (e posteriormente em outras plataformas).

Já o Xbox One recebeu Super Lucky’s Tale. Nos indies, também tivemos Yooka-Laylee e sua milionária campanha de financiamento coletivo.

A Hat in Time foi lançado no meio deste movimento. Após uma campanha bem sucedida no Kickstarter onde os desenvolvedores conseguiram quase US$ 300 mil, o primeiro título da Gears for Breakfast chegou na Steam em outubro do ano passado.

Mesmo com as expectativas de muitos fãs lá em cima, o jogo conseguiu cumprir o que prometia e foi muito bem recebido pela crítica e público.

Inspirado em grandes clássicos como Super Mario 64 e o já citado Spyro The Dragon, A Hat in Time conta a história da Hat Kid.

Uma garotinha fofa tem sua viagem espacial interrompida e perde todo o combustível de sua nave, umas ampulhetas que devem ser coletadas pelo jogador.

Na parte da trama, o game conquista com essa simplicidade: a história é direta, contada de forma decente e traz motivos para você seguir coletando objetos entre diversos mundos para serem explorados.

Apesar de ser conciso nessa parte, o jogo não decepciona. A história é um fator relativamente secundário no meio de toda a diversão, mas os personagens são bem trabalhados e ajudam a tocar o bonde.

Um dos destaques é o Snatcher, o fantasma que obriga você a vender a alma da pobre criança para ele.

A briga dos pássaros do show business no segundo capítulo, bem como a ambientação desta parte, também são de arrasar.

As mecânicas deixam a experiência acima da média, principalmente quando pensamos que o título é um game independente.

No maior estilo anos 90, você deve coletar orbs e novelos de lã para fazer novos chapéus, que concedem habilidades especiais, e comprar power-ups em formato de bottons.

Acessórios como um guarda-chuva com gancho e os poderes de cada chapéu deixam a jogabilidade diversificada e aumentam as possibilidade na hora de exploração.

Isso acaba fazendo o jogo, em alguns momentos, superar suas inspirações.

Arte de tirar o chapéu

Alem da fofura e diversão, a arte e a música do game são um show que mostram o potencial de um jogo indie quando recebe investimento.

A combinação dos dois fatores mostra sua força nos momentos intensos, principalmente em Subcon Forest.

O terceiro capítulo é um mundo obscuro e de atmosfera pesada, que consegue deixar o jogo extremamente tenso apenas utilizando de boa música e ambientação.

A produção se destaca também em diversos momentos pequenos, como detalhes na movimentação da personagem, troca de itens ou interações com o cenário e outros personagens.

Nestes casos, tudo é bem trabalhado e dá ainda mais vida e profundidade à fofura da protagonista.

O cuidado dos desenvolvedores com o game também pode ser visto até nas telas de carregamento, que são tão bem detalhados que dão ótimos wallpapers.

A trilha sonora original, composta por Pascal Michael Stiefel, também é extremamente viciante e, além de embalar o jogo, vai ficar na tua cabeça por um bom tempo.

Inclusive, você pode ouvir as músicas de A Hat in Time no canal do YouTube do estúdio.

Mais conteúdos vindo por aí

Apenas o jogo base de A Hat in Time já oferece muitas horas de diversão, uma vez que conta com vários estímulos para retornar para fases passadas e explorar todos os mundos ao máximo em busca de colecionáveis.

Além disso, a desenvolvedora Gears for Breakfast já compartilhou diversos conteúdos extras para o game, incluindo dois DLC gratuitos, um deles trazendo multiplayer cooperativo em todas as versões.

No PC, o jogo também possui suporte para mods, o que abre portas para a comunidade criar novos conteúdos gratuitos para o título.

a-hat-in-time-mod-game-steam

No lançamento dos mods, a empresa realizou um concurso de mapas

A criatividade da comunidade é tanta que em poucos minutos já é possível encontrar pérolas feitas por fãs no Steam Workshop do game.

Uma dessas modificações recriou o P.T, teaser do Silent Hills que seria feito por Hideo Kojima, dentro de A Hat in Time.

Enfim, se você é fã e teve uma infância tomada por jogos de plataforma, sente saudade de coletar itens enquanto luta com inimigos e adora coisas fofas, com certeza terá muita diversão com A Hat in Time.

O game está disponível para ser jogado no PS4, Xbox One e também no PC.

Redator Pixel

Escrito com carinho por um dos nossos melhores redatores :)