DopaTwo: Quem é o cara por trás das divertidas animações de Overwatch

DopaTwo: Quem é o cara por trás das divertidas animações de Overwatch

O Brasil é conhecido mundialmente na comunidade do jogo online Overwatch por causa do personagem Lúcio, mas outro brasileiro está levando a ousadia e alegria do nosso país para os fãs do game, o designer paranaense Rafael Hatadani, dono do canal de animações DopaTwo.

Quem joga Overwatch com certeza já acabou esbarrando em algum vídeo publicado no canal do YouTube, que satiriza situações que ocorrem no game com animações bastante peculiares e cheias de referências.

As produções já contam com milhões de visualizações e são feitas em inglês, o que aumenta o alcance do conteúdo, mas acaba deixando a identidade brasileira de seu criador escondida.

Como nós aqui do Nacionais gostamos pacas de Overwatch e já demos várias risadas com os vídeos do Dopatwo, entramos em contato com Rafael Hatadani para trocar uma ideia sobre o projeto!

No princípio, tudo era Dota…

Assim como eu, muita gente acabou conhecendo o trabalho de Rafael Hatadani por causa dos vídeos de Overwatch, que começaram a ser publicanos em seu canal com frequência no ano passado.

Apesar da grande massa de fãs de Overwatch, o canal já existe desde 2013, quando Hatadani fazia vídeos sobre Dota 2, jogo da Valve conhecido por seus campeonatos milionários e a eterna competição com League of Legends.

[aesop_quote type=”pull” background=”#ffffff” text=”#0080c0″ width=”60%” align=”right” size=”2″ quote=”"Às vezes não tinha muito trabalho e eu passava o dia inteiro jogando Dota, aí pesava a consciência"” parallax=”off” direction=”left” revealfx=”fromleft”]

 

 

 

 

Segundo o brasileiro, o projeto nasceu por causa de sua paixão pelo game, que tomava bastante tempo do seu dia. “O canal nasceu quando eu estava desempregado. Às vezes não tinha muito trabalho e eu ficava jogando Dota. Aí pesava a consciência. Comecei a fazer vídeos e colocar no YouTube para ver o que rolava”.

O nome DopaTwo, inclusive, faz referência ao game, já que o criador pretendia publicar apenas conteúdos sobre o jogo da Valve no começo. “Queria um nome que fosse fácil de memorizar. Só substituí o T pelo P. Dope é uma gíria que pode ter significados opostos, e na época achei aquilo legal. E ficou!”

Embora os vídeos de Overwatch façam bastante sucesso atualmente, o DopaTwo já era bastante popular antes da chegada do jogo da Blizzard. Na época, a principal série de vídeos do canal era o “5 razões para escolher” algum personagem de Dota 2, que ainda é muito grande no canal graças aos apoiadores do Patreon, que ajudam Hatadani a sobreviver.

“Nos vídeos de Dota, eu abro um tópico no Patreon sobre o herói e o pessoal colabora com ideias e explicando as mecânicas do herói. Eu não domino muitos personagens, então geralmente ajuda muito (tento colocar os créditos de todo mundo no final de cada vídeo)”, explica Hatadani. “Eu pego todas aquelas ideias, crio um roteiro simples e desenho/animo tudo.”

Surge Overwatch

As coisas iam muito bem com os vídeos sobre Dota 2, mas após jogar Overwatch em 2016, DopaTwo resolveu apostar em uma animação do game para o canal. O primeiro vídeo, publicado ainda em 2016, traz uma pequena esquete animada com o ninja Genji na sua melhor forma.

[aesop_quote type=”pull” background=”#ffffff” text=”#0080c0″ width=”30%” align=”left” size=”1″ quote=”"O processo de criação pra cada vídeo é de, geralmente, 2 semanas e alguns dias"” parallax=”off” direction=”left” revealfx=”inplace”]

 

 

 

Segundo Rafael, a primeira investida com o FPS da Blizzard gerou certa raiva nos fãs de raiz, que só esperavam conteúdos do jogo que inspirou o canal. “O primeiro vídeo de Overwatch sofreu bastante hate, a maioria dos inscritos do canal jogava só Dota.”

Mesmo com a recepção negativa de seu público fiel, o vídeo começou a crescer e ganhar visualizações, o que inspirou o criador de conteúdo a continuar produzindo sobre o game. “Após sair de um emprego, passei a ter mais tempo para me dedicar ao canal e fiz o vídeo Enemy Hanzo, que teve uma audiência bem legal. Depois continuei com a série de Overwatch”.

Assim como nos vídeos de Dota, as produções de Overwatch também contam com o auxílio dos apoiadores, mas a base de tudo é a experiência de Hatadani com o game. “Eu pego minha experiência pessoal com o herói e faço uma pesquisa simples, roteirizo e produzo”.

Como todo projeto de animação, os vídeos de DopaTwo exigem bastante trabalho e tempo para serem produzidos. “O processo de criação pra cada vídeo é de, geralmente, 2 semanas e alguns dias”, explica o designer. “Normalmente eu faço os desenhos e animações sozinho, mas de vez em quando acabo ficando sobrecarregando e peço ajuda para minha namorada”.

Lúcio e a relação com o Brasil

Como animação é uma coisa trabalhosa, as produções de Hatadani são feitos em inglês para alcançar mais pessoas na internet. Isso acaba tornando difícil para quem assiste alguns vídeos identificar que o conteúdo é made in Brazil.

Porém, os fãs que acompanham o trabalho de DopaTwo com frequência podem perceber a nacionalidade do criador por meio de referências bem brasileiras, principalmente em Lúcio, um dos personagens de suporte de Overwatch.

Segundo Rafael, o herói brasileiro começou a chamar a atenção dos fãs e a ganhar cada vez mais espaço nas animações com seu jeitão brasileiro de ser. “É legal colocar as referências brasileiras porque o pessoal daqui sempre gosta muito”.

Mesmo com o sucesso do personagem, o criador ainda sente certo receio por causa das interpretações que podem ser feitas em relação ao personagem, que costuma jogar os inimigos para fora da área de jogo ao som de funks brasileiros.

“Eu não via as referências como uma obrigação, até colocar o Lúcio tóxico, que por algum motivo o pessoal adorou. Muita gente pedia, mas eu ficava um pouco receoso de usar, porque é difícil prever a interpretação da galera.”

[aesop_quote type=”pull” background=”#ffffff” text=”#0080ff” width=”50%” align=”left” size=”2″ quote=”"Quando a Ana conseguir fazer o Genji dormir, não o acorde com um tiro no pé!"” parallax=”off” direction=”left” revealfx=”fromleft”]

 

 

Hatadani disse que curte jogar com o personagem brasileiro porque ele permite o uso de “táticas duvidosas” durante o gameplay, assim como Roadhog e seu gancho. “Não consigo eleger um personagem preferido de Overwatch, mas sempre detestei o Soldier 76. Ele é um saco!”, revela o criador de conteúdo.

Segundo Hatadani, jogos de tiro em primeira pessoa não são o seu forte e, por causa disso, ele continua passando mais tempo em Dota 2 do que nas partidas de Overwatch. “Sou meio noob em FPS baseados em equipe. Não consigo sair de platina de jeito nenhum haha”.

Para quem está começando em Overwatch, o designer dá a dica: “Comece jogando de tanque ou suporte. Depois que estiver mais seguro de como o jogo funciona, e gostar da unção, pode mandar ver com um DPS”, aconselha. “E quando a Ana conseguir fazer o Genji dormir, não o acorde com um tiro no pé!”

Sobrevivendo na internet

dopatwo-youtube-anicamao-overwatch-entrevistaAssim como muita gente que tenta sobreviver de conteúdo na internet, Rafael Hatadani também sofreu para conseguir se sustentar com a sua arte no princípio e passava grande parte do seu tempo em um trabalho de período integral, o que dificultava a produção para o canal.

Em um movimento de ousadia, alegria e libertação, o criador do DopaTwo resolveu largar a vida de carteira assinada para se dedicar ao que gosta. “Ficava 10, 11 horas sentado na frente do computador no trabalho. E meu lazer sempre foi jogar jogos online, o que arredondava isso para o dia inteiro. Larguei o emprego e comecei a trabalhar em casa.”

Atualmente, ele sobrevive com seus vídeos de animação, que são feitos com o patrocínio de fãs no Patreon, e também de alguns “bicos”. Segundo Hatadani, o segredo para ser bem sucedido com animação é ir tentando e não parar.

Veja também: O brasileiro que colocou Dollynho no novo Zelda

“O importante é produzir, sentar e fazer as coisas, ter paciência. Ver como as pessoas reagem ao seus vídeos, e se adaptar”, aconselha o criador de conteúdo. “Às vezes você vai se desanimar com as altas e baixas do Youtube, mas algumas oportunidades surgem durante todo o processo. A plataforma é bem legal”.

No final das contas, é como o Lúcio sempre fala: “Não desista, nós ainda podemos vencer”.

Redator Pixel

Escrito com carinho por um dos nossos melhores redatores :)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.